Mestres de Meninos em Portugal nos séculos XVI a XVIII. Alguns contributos com base em fontes inquisitoriais

Paulo Drumond Braga

Resumen


La historiografía portuguesa ya ha prestado alguna atención a los que, en los siglos XVI y XVII, se han dedicado a enseñar a leer, escribir y contar, los maestros de niños. Los procesos del Tribunal de la Inquisición son una importante fuente, hasta ahora inexplorada por los estudiosos, para el conocimiento de esta realidad. Este artículo estudia el caso de 17 maestros de niños que, entre 1626 y 1738-1739, comparecieron en los tribunales de la Inquisición de Lisboa, Coimbra y Évora

Palabras clave


Educación; Educación Infantil; Historia; Religiones; Portugal; Inquisición; Siglo XVI; Siglo XVII;

Texto completo:

PDF (Português (Portugal))

Referencias


ADÃO, Á. (1997). Estado Absoluto e Ensino das Primeiras Letras. As Escolas Régias (1772-1794). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

BRAGA, P. D. (1997). A Inquisição nos Açores. Ponta Delgada, Instituto Cultural de Ponta Delgada, pp. 195-255

COELHO, A. B. (1987). Inquisição de Évora. Dos Primórdios a 1668, I, Lisboa: Caminho, pp. 195-230

DE A. MEA, E. C. (1997). A Inquisição de Coimbra no Século XVI. A Instituição, os Homens e a Sociedade. Porto: Fundação Eng. António de Almeida, p. 357 passim

DE MAGALHÃES, J. P. (1994). Ler e Escrever no Mundo Rural do Antigo Regime. Um Contributo para a História da Alfabetização e da Escolarização em Portugal. Braga: Universidade do Minho, Instituto de Educação.

DE OLIVEIRA, C. R. (1987). Lisboa em 1551. Sumário em que brevemente se contêm algumas coisas assim eclesiásticas como seculares que há na cidade de Lisboa (1551). Apresentação e notas de José da Felicidade Alves. Lisboa: Horizonte, p. 99.

F. BENTHENCOURT (1996). História das Inquisições. Portugal, Espanha e Itália. Lisboa: Temas & Debates, p. 279

FERNANDES, R. (1994). Os Caminhos do ABC. Sociedade Portuguesa e Ensino das Primeiras Letras. Do Pombalismo a 1820. Porto: Porto Editora

FERNANDES, R. (2004). ―Ensino elementar e suas técnicas no Portugal de Quinhentos‖. In Questionar a Sociedade, Interrogar a História, (Re)pensar a Educação. Porto: Afrontamento, Universidade do Porto, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação.

GRÁCIO (1995), R. «Ensino primário e analfabetismo». In Obra Completa, II. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, p. 107.

I. M. R. M. D. BRAGA (2001). «A Inquisição e a sociedade madeirense na época moderna. Elementos para o seu estudo». In Portos, Escalas e Ilhéus no Relacionamento entre o Ocidente e o Oriente. Actas do Congresso Internacional comemorativo do Regresso de Vasco da Gama a Portugal, 2, [Ponta Delgada]: Universidade dos Açores, [Lisboa]: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos.

I. M. R. M. D. BRAGA (2001). «As realidades culturais». In MENESES, A. F. de (ed.). Portugal da Paz da Restauração ao Ouro do Brasil. Lisboa: Presença, p. 519.

I. M. R. M. D. BRAGA (2002). Os Estrangeiros e a Inquisição Portuguesa (Séculos XVI-XVII). Lisboa: Hugin, pp. 121-150

M. J.-T. TAILLAND (2001). Inquisition et Société au Portugal. Le Cas du Tribunal d’ Évora. 1660- 1821. Paris: Centro Cultural Calouste Gulbenkian, pp. 239-261

MARQUES, A. H. DE O. (1998). «As realidades culturais». In DIAS, J. J. A. (ed.). Portugal do Renascimento à Crise Dinástica. Lisboa: Presença.

NEVES, P. A. (1996). A Escolarização dos Saberes Elementares em Portugal nos Finais do Antigo Regime (1772-1820). Matérias, Manuais e Métodos de Ensino. Maia: Instituto Superior da Maia

NOVOA, A. (1987). Le Temps des Professeurs. Analyse Socio-Historique de la Profession Enseignante au Portugal (XVIIIe -XXe siècle), I. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica.

OLIVEIRA, E. F. DE (1885). Elementos para a Historia do Municipio de Lisboa. 1.ª parte, II. Lisboa: Tipografia Universal, p. 69.

PATRÍCIO, A. V. (2000). Escolarização e Vulgarização Cultural no Porto na Época dos Almadas. Porto: Arquivo Histórico, Câmara Municipal do Porto

PINTO, CM . do. T. (2003). Os Cristãos-Novos de Elvas no Reinado de D. João IV. Heróis ou Anti-Heróis. Lisboa: Universidade Aberta, dissertação de doutoramento

PULIDO, J. I. (2007). Os Judeus e a Inquisição no Tempo dos Filipes. Lisboa: Campo da Comunicação

TAVARES, M. J. P. F. (1987). «Inquisição: um 'compellere intrare' ou uma catequização pelo medo (1536-1547)». Revista de História Económica e Social, 21, pp. 1-28; IDEM (1987a). Judaísmo e Inquisição. Estudos. Lisboa: Presença

TAVARES, M. J. P. F. (1989). «A religiosidade judaica». In Congresso Internacional Bartolomeu Dias e a sua Época. Actas, V. Porto: Universidade do Porto, Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, pp. 369-380

TAVARES, M. J. P. F. (1992). Los Judíos en Portugal. Madrid: Mapfre.

VALENTIM, C. M. B. (2008). Uma Família de CristãosNovos de Entre Douro e Minho: os Paz. Estrutura Familiar, Mercancia e Poder, Lisboa: Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, dissertação de mestrado, 2 vols.




DOI: http://dx.doi.org/10.18002/ehh.v0i10.3153

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2011 Paulo Drumond Braga

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Estudios Humanísticos. Historia

Contacto: ulecreh@unileon.es
Soporte técnico: journals@unileon.es

I.S.S.N. 1696-0300 (Ed. impresa)
e-I.S.S.N 2444-0248

Editada por el Área de Publicaciones de la Universidad de León