Inclusion of people with disabilities through fights and martial arts

Rafael Carvalho da Silva Mocarzel

Abstract


This article aimed at investigating how the fights / martial arts were adapted for inclusion of people with disabilities in the social sphere as well as for rehabilitation and sports-competition. The analysis was initially made at the global level and later specific attention was paid to the Brazilian reality, through a narrative review of literature. The following fights / martial arts were considered: fencing, judo, karate, kung fu, boxing, taekwondo and capoeira. It was concluded that the fights / martial arts can contribute to combating social exclusion, contributing to the promotion of health, beauty and leisure and new talents in parasports can be discovered too. Further studies on the subject are needed.


Keywords


disability; fights; martial arts; combat sports; inclusion

References


Acevedo, W., Gutiérrez-García, C., & Cheung, M. (2011). Breve história do Kung Fu (F. Delgado, Trad.). São Paulo: Madras.

Almeida, M. A. B., Corbett, C. A., & Gutierrez, G. L. (2009). O processo civilizatório da marcialidade e a figura feminina. Movimento & Percepção, 10(14), 164-179.

Almeida, M. O., & Silva, R. F. (2009). Atividade motora adaptada e desenvolvimento motor: possibilidades através das artes marciais para deficientes visuais. Movimento & Percepção, 10(14), 222-239.

Alves, M., & Duarte, E. (2013). Inclusão social e o aluno com síndrome de down: um estudo de caso nas aulas de educação física. Pensar a Prática, 16(4), 1098-1111.

Andrade, A., & Almeida, M. (2012). Análise documental das políticas públicas de incentivo as práticas físico-esportivas e de lazer para as pessoas com deficiência no Brasil. Conexões, 10(3), 42-60.

Antunes, M. M. (2013). As artes marciais chinesas para pessoas com deficiência: contextos, dilemas e possibilidades. Tese de Doutoramento em Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Apolloni, R. W. (2004). “Shaolin à brasileira”: estudo sobre a presença e a transformação de elementos religiosos orientais no Kung-Fu praticado no Brasil. Dissertação de Mestrado em Ciências da Religião, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, SP, Brasil.

Azevedo, P. H., & Barros, J. D. F. (2004). O nível de participação do Estado na gestão do esporte brasileiro como fator de inclusão social de pessoas portadoras de deficiência. Revista Brasileira de Ciência & Movimento, 12(1), 77-84.

Barnfield, A. (2004). Traditional martial arts with a non-traditional population: Teaching the Deaf. Journal of Asian Martial Arts, 13(4), 16-27.

Beltrame, A. L. N., & Sampaio, T. M. V. (2015). Atendimento especializado em esporte adaptado: discutindo a iniciação esportiva sob a ótica da inclusão. Revista da Educação Física/UEM, 26(3), 377-388.

Bento, J. O., & Bento, H. C. (2014). Desporto e valores: uma aliança natural carecida de renovação. 42nd Conference of the IAPS-International Association for the Philosophy of Sport & 1st Conference of the ALFID-Asociación Latina de Filosofia del Deporte, Natal, Brasil, 3-6 setembro de 2014.

Boccardi, D. (2003). Programa de interação motora lúdica inclusiva: análise motora e social de casos específicos de deficiência mental, síndrome do x-frágil, síndrome de down e criança típica. Dissertação de Mestrado em Ciências do Movimento Humano, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Boguszewski, D.; Torzewska, P. (2011). Martial arts as methods of physical rehabilitation for disabled people. Journal of Combat Sports and Martial Arts, 2(1), 1-6.

Brasil – Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: educação física / Secretaria de educação fundamental. MEC / SEF.

Brito, A. C. (2008). Capoeira, um contributo para a coordenação motora em indivíduos com síndrome de down. Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto, Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Bulantsov, A., & Tabakov, S. (2011). Motor skills reliability of the throws technique of the young SAMBO players. Journal of Combat Sports and Martial Arts, 2(2), 79-82.

Castro Júnior, L. V. (2008). Capoeira Angola: olhares e toques cruzados entre historicidade e ancestralidade. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 25(2), 143-158.

Coelho, R., Kreft, L., & Lacerda, T. (2013). Elementos para a compreensão da estética do Taekwondo. Movimento, 19(3), 295-314.

Comitê Olímpico Internacional. (2001). Carta Olímpica. Lausanne: Comitê Olímpico Internacional.

Comitê Paralímpico Brasileiro. (2015). Recuperado em 31 Mar., 2015, de http://www.cpb.org.br/comite-paralimpico-internacional-anuncia-programa-final-dos-jogos-de-toquio-2020/

Confederação Brasileira de Judo. (2014a). Recuperado em 22 Ago., 2014, de http://www.cbj.com.br/noticias/3106/medalha-para-o-brasil-em-importante-etapa-do-judo-for-all.html/imprimir

Confederação Brasileira de Judo. (2014b). Recuperado em 22 Ago., 2014, de http://www.cbj.com.br/noticias/3893/equipe-brasileira-de-%E2%80%9Cjudo-para-todos%E2%80%9D-campea-na-italia-retorna-ao-brasil.html

Conselho da Europa. (1992). Carta Europeia do Desporto. Rhodes: 7ª Conferência dos Ministros Europeus.

Costa, A. K. (2010). A prática da Capoeira nas escolas especiais da rede municipal de ensino de Porto Alegre, Rio grande do Sul. Monografia de Licenciatura de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Drigo, A.J., Souza Neto, S., Cesana, J., & Tojal, J.B.A. Gomes. (2011). Artes marciais, formação profissional e escolas de ofício: Análise documental do judô brasileiro. Motricidade, 7(4), 49-62.

Dunning, E. & Elias, N. (1994). Sport et civilisation: la violence maîtrisée. Paris: Fayard.

Elias, N. (1994). O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores.

Fédération Internationale d’Education Physique – FIEP. (2000). Manifesto Mundial de Educação Física FIEP 2000. Foz do Iguaçu: FIEP.

Fernandes, C. A. M., Dalquano, A. B., & Oliveira, R. M. (2003). A influência de atividades recreativas no comportamento social de portadores de deficiência mental. In Anais do XIII Congresso Brasileiro do Ciências do Esporte. Caxambu: Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte.

Ferreira, E. L. (Org.). (2011). Atividades físicas inclusivas para pessoas com deficiência. 1. Mogi das Cruzes: Confederação Brasileira de Dança em Cadeira de Rodas.

Figueiredo, A. A. A. (2006). A institucionalização do Karaté – os modelos institucionais do Karaté em Portugal. Tese de Doutorado de Motricidade Humana, Faculdade de Motricidade Humana, Lisboa, Portugal.

Garcia, M. (2005). Des pratiques physiques et artistiques dans des logiques de socialisation scolaire: hip-hop, cirque et capoeira à l’école. In M. Falcoz & M. Koebel (Eds.), Intégration par le sport : représentations et réalités (pp. 105-118). Paris : L’Harmattan.

Gasparini, J. (2005). Les contradictions de l’intégration par le sport. In M. Falcoz & M. Koebel (Eds.), Intégration par le sport : représentations et réalités (pp. 243-260). Paris : L’Harmattan.

Gomes, M., Morato, M., Duarte, E., & Almeida, J. (2010). Ensino das lutas: dos princípios condicionais aos grupos situacionais. Movimento, 16(2), 207-227.

Kelland, M. (2012). Psicologia, incapacidade física e a aplicação da consciência plena budista nos programas de artes marciais. Revista de Artes Marciales Asiáticas, 4(4), 8-17.

Kirk, S., & Gallagher, J. (1979). Educating Exceptional Children (3 ed.). Boston: Houghton Mifflin Company.

Kunz, E. (1994). Transformações didático-pedagógicas do esporte. Ijuí: Unijuí.

Lacerda, T. O. (2007). Uma aproximação estética ao corpo desportivo. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 7(3), 393–398.

Lao, T. (2001). Tao Te King. (5 ed., versão integral e comentários). São Paulo: Attar.

Lever, J. (1983). A loucura do futebol. São Paulo: Record.

Lima, L. M. S. (2000). O Tao da educação – a filosofia oriental na escola ocidental. São Paulo: Ágora.

Lowenfeld, B. (1973). History of the Education of Visually Handicapped Children. In B. Lowenfeld (Ed.), The Visually Handicapped Children in School (pp. 1-25). New York: American Foundation for the Blinds.

Marques, U. M., Castro, J. A., & Silva, M. A. (2001). Actividade Física Adaptada: uma visão crítica. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 1(1), 73-79.

Marsiglia, P. M. (2016). Homo Deficiens – tecendo metáforas para os abismos e progressos do eu. Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade Nove de Julho, São Paulo, SP, Brasil.

Matos, J. B., & Menezes, F. S. (2012). Capoeira para deficientes visuais: comparação do equilíbrio entre praticantes e não praticantes de Capoeira. Revista Brasileira de Ciência do Esporte, 34(1), 81-93.

Mello, A., dos Santos, W., Rodrigues, L., & Santos, R. (2014). O protagonismo de pessoas com deficiência intelectual no processo de ensino-aprendizagem da capoeira. Pensar a Prática, 17(1). 214-227.

Melo, F., & Barreira, C. R. A. (2015). As fronteiras psicológicas entre violência, luta e brincadeira: as transições fenomenológicas na prática da capoeira. Movimento, 21(1). 125-138.

Mocarzel, R. C. S. (2011). Artes marciais e jovens: violência ou valores educacionais? Um estudo de caso de um estilo de kung-fu. Dissertação de Mestrado em Ciências da Atividade Física, Universidade Salgado de Oliveira, Niterói, RJ, Brasil.

Mocarzel, R. C. S., & Columá, J. F. (2015). Lutas e Artes Marciais: aspectos educacionais, sociais e lúdicos. Rio de Janeiro: Suam.

Mocarzel, R. C. S., & Murad, M. (2012). Sobre o Homo Disciplinatus: Uma visão sócio-antropológica do artista marcial. Corpus et Scientia, 8(2), 87-98.

Mocarzel, R. C. S., & Murad, M. (2013). O não uso das lutas na educação física escolar brasileira. In R. Osborne, C. A. F. Silva, & R. F. Santos. (Org.), Complexidade da educação física escolar (pp. 70-80). Rio de Janeiro: Lamparina.

Mocarzel, R. C. S., & Murad, M, & Capinussú, J. M. (2013). O Kung-Fu Wushu e os Jogos Olímpicos: história e possibilidades de inserção. Corpus et Scientia, 9(1), 115-125.

Mocarzel, R. C. S., Murad, M., Ferreira, A. S. & Silva, C. A. F. (2012). Violência e Fair-Play no meio esportivo: o caso do Kung-Fu. Corpus et Scientia, 8(2), 109-124.

Murad, M. (2007). A violência e o futebol: dos estudos clássicos aos dias de hoje. Rio de Janeiro: FGV.

Nascimento, P. R. B., & Almeida, L. (2008). A tematização das lutas na Educação Física Escolar: restrições e possibilidades. Movimento, 13(3), 91-110.

Novaes, V. S. (2006). O híbrido paraolímpico – ressinificando o corpo do atleta com deficiência a partir de práticas tecnologicamente potencializadas. Dissertação de Mestrado em Ciência do Movimento Humano, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

OMS - Organização Mundial da Saúde. (2012). Relatório Mundial sobre a Deficiência (Lexicus Serviços Lingüísticos, Trad.). São Paulo: Governo do Estado de São Paulo – Secretaria dos direitos da pessoa com deficiência.

OMS - Organização Mundial da Saúde. (2016). Disability and rehabilitation. Recuperado em 24 Set., 2016, de http://www.who.int/disabilities/en/

Patatas, J. M. (2012). O Taekwondo como modalidade paradesportiva. Dissertação de Mestrado em Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Palma, L. E., Manta, S. W., Lehnhard, G. R., & Matthes, S. E. R. (2012). Ensino da Capoeira para Pessoas com Deficiência Intelectual. Revista da Sobama, 13(1), 27-30.

Pena, L. G. S., Athayde Costa, A., Campos, L. F. C. C., Gouveia, R. B., Almeida, J. J. G., Duarte, E., Araújo, P. F. & Gorla, J. I. (2014). O “rugby” em cadeira de rodas no âmbito da universidade: relato de experiência da Universidade Estadual de Campinas. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 28(4), 661-669.

Pereira, R., Osborne, R., Pereira, A., & Cabral, S. (2013). A importância do desporto de alto rendimento na inclusão social dos cegos: Um estudo centrado no Instituto Benjamin Constant - Brasil. Motricidade, 9(2), 94-105.

Reis Filho, A. D., & Schuller, J. A. P. (2010). A capoeira como instrumento pedagógico no aprimoramento da coordenação motora de pessoas com síndrome de down. Pensar a Prática, 13(2), 1-21.

Retondar, J. J. M. (2013). Teoria do Jogo: a dimensão lúdica da existência humana (2ed.). Petrópolis. Vozes.

Ribeiro, S. M. (2009). O esporte adaptado e a inclusão de alunos com deficiências nas aulas de educação física. Tese de Doutorado em Educação, Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, Brasil.

Rodrigues, S. (2012, Ago. 14). Sai paraolímpico, entra paralímpico. Revista Veja. Recuperado em 25 Set., 2016, de http://veja.abril.com.br/blog/sobre-palavras/curiosidades-etimologicas/sai-paraolimpico-entra-paralimpico/

Rosa, J. P. P., Rodrigues, D. F., & Freitas, P. S. (2009). A prática do karatê para pessoas em cadeira de rodas. EFDeportes, (133). Recuperado de http://www.efdeportes.com/efd133/karate-para-pessoas-em-cadeira-de-rodas.htm

Rosa, V. (2016). Perspetivas e entendimentos dos praticantes portugueses de karaté sobre o conceito de Budô. Revista de Artes Marciales Asiáticas, 10(2), 124-134.

Seron, B. B., Arruda, G. A., & Greguol, M. (2015). Facilitadores e barreiras percebidas para a prática de atividade física por pessoas com deficiência motora. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 37(3), 214-221.

Silva, C. A. F., & Silva, H. H. C. (2005). Desafios da Educação Física Inclusiva: integrar ou incluir? Augustus, 10(21), 23-30.

Souza Sobrinho, P. A. (2006). O esporte adaptado e paraolímpico como direito da criança e do adolescente. In A. J. M. Conde, P. A. Souza Sobrinho, & V. Senatore (Org.). Introdução ao Movimento Paraolímpico: Manual de Orientação para Professores de Educação Física (pp. 24-53). Brasília: Comitê Paraolímpico Brasileiro.

Tani, G. (2002). Esporte, educação e qualidade de vida. In W. W. Moreira, & R. Simões (Orgs.), Esporte como fator de qualidade de vida (pp. 103-115). Piracicaba: UNIMEP.

Thomas, J., Nelson, J., & Silverman, S. (2007). Métodos de pesquisa em atividade física (5ed.). Porto Alegre: Artmed.

Toffoli, A. (2012). Processo ensino-aprendizagem do Kung Fu em pessoas com deficiência intelectual. In E. Franchini & F. B. Del Vecchio (Orgs.), Ensino de Lutas: reflexões e propostas de programas (pp. 251-288). São Paulo: Scortecci.

Tubino, M. J. G. (1993). O que é esporte. São Paulo: Brasiliense.

Tubino, M. J. G., Tubino, F. M., & Garrido, F.A.C. (2007). Dicionário Enciclopédico Tubino do Esporte. Rio de Janeiro: SENAC.

WTF - World Taekwondo Federation. (2016). Para-Taekwondo. Recuperado em 24 Set., 2016, de http://www.worldtaekwondofederation.net/para-taekwondo




DOI: http://dx.doi.org/10.18002/rama.v11i2.4177

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Copyright (c) 2016 Rafael Carvalho da Silva Mocarzel

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Revista de Artes Marciales Asiáticas - RAMA

I.S.S.N. 2174-0747

Attached to the Department of Physical Education and Sports, University of León (Spain)

Edited by the Publications Office, University of León

Creative Commons License