A emigração portuguesa em tempos de inmigração

José Carlos Marques

Resumen


A partir da observação de que os fluxos emigratórios portugueses não chegaram ao fim com o encerramento, no rescaldo da crise de 1973/74, das fronteiras dos países industrializados da Europa à migração de trabalhadores, o presente artigo procura analisar os fluxos emigratórios que se desenvolveram após o anunciado "fim da emigração portuguesa‟. Será argumentado que apesar de um discurso político e de uma prática de investigação que, por diferentes motivos, tendem a menosprezar ou a negligenciar a saída de nacionais, ela continua a ser uma opção importante para milhares de portugueses que olham para a emigração como uma opção importante e atractiva para ultrapassar os constrangimentos que enfrentam no mercado de trabalho nacional. No prosseguimento deste objectivo central da comunicaçãoa emigração portuguesa para a Suíça – um dos principais fluxos emigratórios que se desenvolveu, sobretudo, a partir de meados dos anos 80 – será utilizada para ilustrar o continuar da emigração e a falácia do final da emigração portuguesa.

Palabras clave


Emigração; Portugal; migrações internacionais; migração intraeuropeia

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18002/pol.v0i20.52

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2015 Polígonos. Revista de Geografía

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Polígonos
Revista de Geografía

Contacto: jose.cortizo@unileon.es
Soporte técnico: journals@unileon.es

DOI: http://dx.doi.org/10.18002/pol

I.S.S.N. 1132-1202 (Ed. impresa)(n. 1 a 24)
e-I.S.S.N. 2444-0272

Editada por el Área de Publicaciones de la Universidad de León