Emigração portuguesa, olhares sobre a ausência: uma perspectiva diacrónica

María Manuela Aguiar

Resumen


A ausência significava, no paradigma “territorialista” tradicional, a ruptura com a sociedade do país e a perda de direitos de cidadania, direitos políticos, sociais e culturais. Os ausentes eram despojados da própria nacionalidade, se adquirissem uma outra. Porém, o carácter automático da recuperação da nacionalidade, em caso de retorno definitivo, indicava que o legislador oitocentista se dava conta da subsistência dos laços de ligação à pátria durante o período de ausência.

Para a progressiva tomada de consciência das formas de vencer o distanciamento físico pela presença dos emigrantes na vida da sociedade portuguesa contribuíram, antes de mais, as remessas, os investimentos, as dádivas para a melhoria das suas terras. Mais tardio foi o reconhecimento de uma outra forma de presença, através da criação, no exterior, de espaços de língua e cultura portuguesa.

A democratização do país, em 1974, veio permitir a transição progressiva para o paradigma "personalista", em que os expatriados gozam de um novo estatuto de direitos, tendencialmente igual aos dos residentes, e as comunidades do estrangeiro são vistas como parte integrante do património cultural da Nação.


Palabras clave


Paradigma “territorialista”; ausência, perda de direitos, paradigma "personalista"; direitos iguais aos dos residentes

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18002/pol.v0i20.552

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2015 Polígonos. Revista de Geografía

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Polígonos
Revista de Geografía

Contacto: jose.cortizo@unileon.es
Soporte técnico: journals@unileon.es

DOI: http://dx.doi.org/10.18002/pol

I.S.S.N. 1132-1202 (Ed. impresa)(n. 1 a 24)
e-I.S.S.N. 2444-0272

Editada por el Área de Publicaciones de la Universidad de León