Os Meios de Comunicação e a Figura da Mulher: uma reflexão sobre a personagem Clara da telenovela Em Família

Maria Aparecida Baccega, Camilla Rodrigues Netto da Costa Rocha

Resumen


O presente artigo tem por objetivo refletir acerca da construção da figura da mulher operada pelos meios de comunicação, através de um dos seus produtos culturais, a telenovela brasileira. Para tanto, propõe uma investigação que aborda a visibilidade da mulher na mídia, trazendo como arcabouço teórico Baccega (1994; 1999), Escosteguy (2011) e Hall (2013), no que tange aos discursos midiáticos; Lippmann (1966), Bourdieu (2002), Scott (1995), Butler (2015) e Louro (2000) para refletir sobre a figura da mulher. Levando em conta o contexto hegemônico, o presente artigo propõe discutir a ideologia bem como a indústria cultural a fim de analisar, como objeto empírico, a personagem Clara, protagonizada pela atriz Giovanna Antonelli, na telenovela brasileira Em Família, da TV Globo.


Palabras clave


Comunicação, mídia, telenovela brasileira, indústria cultural, hegemonia,ideologia, mulher

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Adorno, Theodor W; Horkheimer, Max (1985): Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar.

Baccega, Maria A. (1994): “Do mundo editado à construção do mundo”. Em: Comunicação & Educação, Brasil, nº. 1, pp. 5-6.

Baccega, Maria A. (1998): “O estereótipo e as diversidades”. Em: Comunicação & Educação, Brasil, nº. 13, pp. 7-14.

Baccega, Maria A. (1999): “A construção do campo comunicação/educação”. Em: Comunicação & Educação, Brasil, nº. 14, pp. 3-4.

Baccega, Maria A. (2003): “Narrativa ficcional de televisão: encontro com os temas sociais”. Em: Comunicação & Educação, Brasil, nº. 26, pp. 7-16.

Bourdieu, Pierre (2014): A dominação masculina. 2ª Ed. Rio de Janeiro: BestBolso.

Butler, Judith (2015): Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. 8ª Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Castells, Manuel (2000): A sociedade em rede (volume I). 8ª Ed. São Paulo: Paz e Terra.

Cohn, Gabriel (2008): “Indústria cultural como conceito multidimensional”. Em: Maria A Baccega (org.): Comunicação e Culturas do consumo, São Paulo: Atlas, pp. 65-75.

Escosteguy, Ana C (2001): Cartografias dos Estudos Culturais: uma versão latinoamericana. Belo Horizonte: Autêntica.

Hall, Stuart (2013): Da diáspora: identidade e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Illouz, Eva (2001): O amor nos tempos do capitalismo. Rio de Janeiro: Zahar.

Katz, Jonathan N. (2006): La invención de la hetero sexualidad. México: Me Cayó El Vinte.

Lippmann, Walter (1966): “Estereótipos”. Em: Charles Steinberg (org.): Meios de comunicação de massa. São Paulo: Editora Cultrix, 1966, pp. 149-159.

Louro, Guacira L. (2000) (org.): O corpo educado. Pedagogias da sexualidade. 2ª Ed. Belo Horizonte: Autentica.

Martín-Barbero, Jesús y Rey, Germán (2004): Os exercícios do ver: hegemonia audiovisual e ficção televisiva. São Paulo: Senac.

Martín-Barbero, Jesús (2004): Ofício de cartógrafo – Travessias latino-americanas da comunicação na cultura. São Paulo: Loyola.

Martín-Barbero, Jesús (2013): Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: UFRJ.

Ronsini, Veneza et al. (2015): “Ativismo de fãs e disputas de sentidos de gênero nas interações da audiência de Em Família nas redes sociais”. Em: Maria. I. V. de Lopes et al. Por uma teoria de fãs da ficção televisiva brasileira. Porto Alegre: Sulina, pp. 197-238.

Schaff, Adam (1973): “Lenguaje y acción humana”. Em: Adam Schaff: Ensayos sobre filosofia del lenguaje. Barcelona: Ariel, pp. 124-145.

Scott, Joan (1995): “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”. Em: Educação & Realidade, nº. 20, pp. 71-99.

Simmel, Georg (2009): Psicologia do dinheiro e outros ensaios. Lisboa: Texto & Grafia.

Simionatto, Ivete (2008): “Sociedade civil, hegemonia e cultura: a dialética gramsciana entre estrutura e superestrutura”. Em: Maria A Baccega (org.): Comunicação e Culturas do consumo, São Paulo: Atlas, pp. 88-104.

Thompson, John. B (1995): Ideologia e cultura moderna. Teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes.




DOI: http://dx.doi.org/10.18002/cg.v0i11.3596

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2016 Maria Aparecida Baccega, Camilla Rodrigues Netto da Costa Rocha

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Contacto:

Departamento de Psicología, Sociología y Filosofía. Facultad de Educación. 24071 - León - España. Teléfono: 987291860 / 625570546. Email: aiblag@unileon.es cuestionesdegenero@unileon.es

 

e-I.S.S.N. 2444-0221 - Depósito Legal: LE-1039-2005.

Diseño de portada: INDOS (Images copyright ©INDOS, S. L. and its licensors. All rights reserved).

Diseño del logotipo del Seminario Interdisciplinar de Estudios de las Mujeres de la ULE: Teresa Serrano León.