Mulher “de classe”: desigualdades corporificadas nas telenovelas brasileiras da Rede Globo=“Classy” women: inequalities embodied in Rede Globo Brazilian soap operas

Camila Marques

Resumen


Resumo

Este artigo parte da premissa de que a ideologia dominante é aquela em que a identidade feminina, assim como as classes mais baixas, é submissa. Sendo assim, propomos articulações possíveis entre as categorias de gênero e classe social - adotada através da matriz bourdiana - para estudos de telenovela, problematizando empiricamente as formas com que o melodrama atua na reprodução das desigualdades não apenas de classe, mas também de gênero. Nosso objetivo é, com base na sociologia bourdiana e nos conceitos de habitus, distinção, estilo de vida, capitais e corpo de classe, identificar como as mulheres de diferentes classes sociais têm sido representadas nas telenovelas brasileiras da Rede Globo na década de 2010. Os dados apontam que, mesmo as tramas que trazem identidades femininas inovadoras para o gênero melodramático acabam reproduzindo o discurso hegemônico dominante vigente há meio século, principalmente através dos usos sociais do corpo feminino.

Abstract

This article starts from the premise that the dominant ideology is one in which the female identity, as well as the popular class, is submissive. Thus, we propose possible articulations between the categories of gender and social class – based on Bourdieu - for soap opera studies, empirically problematizing the ways in which the melodrama acts in the reproduction of inequalities not only of class, but also of gender. Our objective – based on bourdieu's sociology (habitus, distinction, life style, capitals, body class) – is to identify how women from different social classes have been represented in the Brazilian soap operas of Rede Globo in the 2010s. We concluded that, even the plots that bring innovative female identities to the soap operas end up reproducing the hegemonic discourse prevailing for half a century, mainly through the social uses of the female body.


Palabras clave


gênero; classe social; desigualdades; telenovela; poder; gender; social class; inequalities; soap opera; power

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Almeida, Heloisa (2013): “As mulheres e as imagens da televisão. In: Venturi, Gustavo; Godinho, Tatau”. Em: Gustavo Venturi e Tatau Godinho (orgs.): Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado: uma década de mudanças na opinião pública. São Paulo: Perseu Abramo, SESC, pp. 52-80.

Borges, Carlise (2011): “Marcas não desejadas na televisão brasileira: uma breve análise do capital físico das atrizes globais”. En: Revista Panorama, edição on line num. II – nov, pp. 7-19.

Bourdieu, Pierre (1983): “Esboço de uma teoria da prática”. Em: Renato Ortiz: Pierre Bourdieu. São Paulo: Ática, pp. 46-81.

Bourdieu, Pierre (2007): A distinção: crítica social do julgamento. 2.ed. rev. Porto Alegre: Zouk.

Bourdieu, Pierre (2012): A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, Pierre (2014): “Notas provisórias sobre a percepção social do corpo”. Em: Pro-Posições, Campinas, vol. 25, nº. 1, pp. 247-256.

Carneiro, Marília; Mühlhaus, Chris (2003): No camarim das oito. Rio de Janeiro: SENAC.

Davis, Angela (2016): Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo.

Depexe, Sandra (2015): “Distinção em 140 caracteres: classe social, telenovela e Twitter”. Tese (Doutorado em Comunicação), Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria.

Escosteguy, Ana Carolina e Sifuentes, Lirian (2011): “As relações de classe e gênero no contexto de práticas orientadas pela mídia: apontamentos teóricos”. Em: Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E-compós, Brasília, vol.14, nº.2, maio/ago, pp. 1-13.

García-Canclini, Néstor (1984): “Gramsci con Bourdieu. Hegemonía, consumo y nuevas formas de organización popular”. Em: Nueva sociedade, vol. 1, nº. 71, pp. 69-78.

Goffman, Erwin (2009): A representação do eu na vida cotidiana. Editora Vozes. Petrópolis.

Goldenberg, Mirian (1995): Toda mulher é meio Leila Diniz. Rio de Janeiro: Record.

Grohmann, Rafael (2016): “As classes sociais na comunicação: sentidos teóricos do conceito”. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

Gshow (2015): “Vote: qual a gata mais quente do Morro do Macaca?·. Disponível em: http://gshow.globo.com/participe/noticia/2015/09/vote-qual-gata-mais-quente-do-morro-da-macaca.html [20/04/2021].

Hamburger, Ester (2005): O Brasil Antenado. A sociedade da novela. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Junqueira, Lília (2009): Desigualdades Sociais e Telenovelas: relações ocultas entre ficção e reconhecimento. São Paulo: Annablumme.

Leite, Andrea, Guerra, Lisete (2002): Figurino: uma experiência na televisão. São Paulo: Paz e Terra.

Lopes, Maria Immacolatta (2009): “Telenovela como Recurso Comunicativo”. Em: MATRIZes, vol. 3, nº. 1, pp. 21-47.

Marques, Camila (2015): “Figurino “de classe”: a construção social do corpo nas telenovelas nacionais”. Em: XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2015, Rio de Janeiro. XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Disponível em: https://portalintercom.org.br/anais/nacional2015/lista_area_DT4-FS.htm [12/04/2021].

Martín-Barbero, Jesús (2003): Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. 2.ed. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ.

Mattos, Patrícia (2006a): “Dominação de Gênero e Classe: Referências Cruzadas”. Em: 30 Encontro Anual da ANPOCS, 2006, Caxambu. 30 ANPOCS, pp. 2-34

Mattos, Patrícia (2006b): “A mulher moderna numa sociedade desigual”. EM: Souza, Jessé (org.): A invisibilidade da desigualdade brasileira. Belo Horizonte: Editora UFMG, pp. 1-34.

Memória Globo (2008): Entre tramas, rendas e fuxicos. O Figurino na Teledramaturgia da TV Globo. Rio de Janeiro: Editora Globo.

Memória Globo (2010): Guia Ilustrado TV Globo: novelas e minisséries. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Murdock, Graham (2009): “Comunicação contemporânea e questões de classe”. Em: Matrizes, vol. 2, nº. 2, p. 31-56.

Newton, Esther e Walton, Shirley (1984): “The misunderstanding: toward a more precise sexual vocabulary”. Em: Carole Vance (edit.): Pleasure and danger: exploring female sexuality. Boston: Routledg & Kegan Paul, pp. 56-140.

Ortiz, Renato (1983): Pierre Bourdieu. São Paulo: Ática.

Romano, Maria Carmem (1999): “As representações sociais dos pobres nas telenovelas”. Em: Revista Universidade Rural Série Ciências Humanas, Seropédica - Itaguaí - RJ, vol. 19-21, nº. 1-2, pp. 21-37.

Ronsini, Veneza et al. (2013): “Aspirações femininas: modelos da televisão e da vida”. Em: XXII Encontro Anual da Compós, pp. 1-15.

Ronsini, Veneza et al. (2016): “Telenovelas e a questão da feminilidade de classe”. Em: Matrizes, vol. 10, nº. 2, p. 45-60.

Ronsini, Veneza et al. (2017a): “Os sentidos das telenovelas nas trajetórias sociais de mulheres das classes populares”. Em: Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação | E- compós, Brasília, vol. 20, nº.1, jan/abr, pp. 1-17.

Ronsini, Veneza et al. (2017b): “Distinção e comunicação na apropriação da moda pelos fãs de telenovela”. Em: Immacolatta Lopes: Por uma teoria de fãs da ficção televisiva brasileira II: práticas de fãs no ambiente da cultura participativa. Porto Alegre: Sulina, pp. 173-210.

Ronsini, Veneza y Silva, Renata da (2011): “Apropriações da cultura (sem classe) da mídia”. Em: INTERCOM (São Paulo), vol. 31, pp. 55-74.

Scott, Joan (1990): “Gênero: uma categoria de análise histórica”. Em: Educação e Realidade, Porto Alegre, vol. 16, nº. 2, jul/dez, pp. 71 – 99.

Souza, Jessé (2009): “Prefácio”. Em: Lília Junqueira: Desigualdades sociais e telenovela. Relações ocultas entre ficção e reconhecimento. São Paulo: Anna Blume, pp. 5-10.

Sifuentes, Lirian e Ronsini, Veneza (2011): “O que a telenovela ensina sobre ser mulher?: reflexões acerca das representações femininas”. Em: Revista Famecos, vol. 18, nº. 1, pp. 131-146.

Veblen, Torsten (1983): A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. São Paulo: Abril Cultural.




DOI: http://dx.doi.org/10.18002/cg.v0i16.6943

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2021 Camila Marques

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Contacto:

Departamento de Psicología, Sociología y Filosofía. Facultad de Educación. 24071 - León - España. Teléfono: 987291860 / 625570546. Email: aiblag@unileon.es cuestionesdegenero@unileon.es

 

e-I.S.S.N. 2444-0221 - Depósito Legal: LE-1039-2005.

Diseño de portada: INDOS (Images copyright ©INDOS, S. L. and its licensors. All rights reserved).

Diseño del logotipo del Seminario Interdisciplinar de Estudios de las Mujeres de la ULE: Teresa Serrano León.