Candidatas Guerreiras no Brasil: um estudo de caso das narrativas audiovisuais das mulheres mais votadas às prefeituras das capitais em 2020=Women warrior candidates in Brazil: a case study of the audiovisual narratives of the most voted women for capital city halls in 2020

Luciana Panke

Resumen


Resumo

Esta investigación expone la estructura de un patrón de objetificación respecto al cuerpo Nas últimas eleições municipais brasileiras, apenas uma mulher foi eleita para governar uma capital, entre os 26 estados da federação. Este artigo apresenta o cenário eleitoral para, então, trazer análise das narrativas audiovisuais das três candidatas mais bem votadas naquele pleito:  Cinthia Ribeiro (PSDB), eleita em Palmas (TO), região Norte, Manoela D’Ávila (PCdoB), no Sul, em Porto Alegre (RS) e Marilia Arraes (PT) em Recife (PE), Nordeste. Como metodologia aplicou-se a proposta de PANKE (2015, 2016, 2018) para identificar os arquétipos das candidaturas femininas: Guerreira, Maternal e Profissional. Como resultado, observou-se que os vídeos posicionaram as candidatas de maneira combativa. Ainda que houvesse a exibição também da maternidade nas três campanhas, a eleita foi quem exibiu equilíbrio entre arquétipos. 

Abstract

This investigation exposes the structure of a landlord of objectification with respect to the body. In the last Brazilian municipal elections, only one woman was elected to govern a capital, among the 26 states of the federation. This article presents the electoral scenario and analyzes the audiovisual narratives of the three best-voted candidates in that election: Cinthia Ribeiro (PSDB), elected in Palmas (TO), North region, Manoela D'Ávila (PCdoB), in the South, in Porto Alegre (RS) and Marilia Arraes (PT) in Recife (PE), Northeast. As a methodology, the proposal of PANKE (2015, 2016, 2018) was applied to identify the archetypes of female candidates: Warrior, Maternal and Professional. As a result, it was observed that the videos positioned the candidates in a combative way. Although there was also an exhibition of motherhood in the three campaigns, the elected was the one who exhibited balance between archetypes.


Palabras clave


comunicação política; comunicação eleitoral; gênero; campanhas femininas; Brasil; political communication; electoral communication; gender; women's campaigns; Brazil

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Bordieu, Pierre (2012): A dominação masculina. 11a. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Câmara dos Deputados (2019): “Baixa representatividade de brasileiras na política se reflete na Câmara. Agência Câmara de Notícias, 29 de março de 2019”. Disponível em: https://www.camara.leg.br/noticias/554554-baixa-representatividade-de-brasileiras-na-politica-se-reflete-na-camara/ [17/03/202].

Castañeda, Marina (2013): Algunos mitos del machismo y Explicaciones psicológicas y sociales. El machismo invisible regresa. 5ª. Reimpressão. México: Santillana.

Eco, Umberto (1993): Apocalípticos e integrados. São Paulo: Perspectiva.

Figueiredo, Marcus; Aldé, Alessandra; Dias, Heloisa e Jorge, Vladimyr Lombardo (2000): “Estratégias de Persuasão em Eleições Majoritárias: Uma Proposta Metodológica para o Estudo da Propaganda Política”. Em: Rubens Figueiredo (org.): Marketing Político e Persuasão Eleitoral. São Paulo: Fundação Konrad Adenauer.

Henrique, Guilhereme (2020): “A representatividade nas eleições, entre tentativas e avanços”. Em: NEXO, 23 de dezembro de 2020. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/serie/2020/12/23/A-representatividade-nas-elei%C3%A7%C3%B5es-entre-tentativas-e-avan%C3%A7os [17/03/2021].

Ibinarriaga, José Adolfo y Trad Hasbun, Roberto (2012): El arte de la guerra electoral. México: Grijalbo.

Lagarde y de los Ríos, Marcela (2006): Los cautiverios de las mujeres: madresposas, monjas, putas, presas y locas. 4a. ed. México: UNAM.

Lamas, Marta (2013) (comp.): El género. La construcción cultural de la diferencia sexual. 4ª. Reimpresión 2013. México: UNAM, Porrúa.

Miguel, Luis Felipe; Biroli, Flávia (2011): Caleidoscópio Convexo: mulheres, política e mídia. São Paulo: Editora Unesp.

Moreira, Assis (2019): “Brasil precisa de mais de 59 anos para ter igualdade de gênero”. Em: Valor Investe, 17 de dezembro de 2019. Disponível em https://valorinveste.globo.com/mercados/brasil-e-politica/noticia/2019/12/17/brasil-precisa-de-mais-de-59-anos-para-ter-igualdade-de-genero.ghtml [17/03/2021].

ONU (2020): “Estudo da OIT mostra falta de progresso na igualdade de gênero no mercado de trabalho”. Em: ONU NEWS, 14 de janeiro de 2020. Disponível em: https://news.un.org/pt/story/2020/01/1700382 [17/03/2021].

Paiva, Daniela (2010): “A reconfiguração da campanha eleitoral na era da tecnicidade: a propaganda televisiva no Brasil e no México em 2006”. Tese (Doutorado em Ciência Política) - Programa de Pós-Graduação em Ciência Política. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizont.

Panke, Luciana; Bozza, Gabriel; Thauny, Jeferson e Fontoura, Rui (2013): “Levantamento Temático da Propaganda Eleitoral na Televisão: estudo de caso sobre as eleições municipais de Curitiba em 2012”. Em: Anais Congresso da Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política, nº. 4, pp. 01-22. Disponível em: http://www.compolitica.org/home/wp-content/uploads/2013/05/GT-09-Propaganda-e-Marketing-Pol%C3%ADtico-Luciana-Panke.pdf [05/12/2020].

Panke, Luciana; Cervi, Emerson (2011): “Análise da Comunicação Eleitoral: uma proposta metodológica para os estudos de HGPE”. Em: Revista Contemporânea, vol. 9, nº. 3, pp. 390-403. Disponível em: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/contemporaneaposcom/article/view/5533 [11/05/2015].

Panke, Luciana e Fontoura, Rui (2013): “Quando a campanha eleitoral não dá certo – estudo de caso do HGPE em Curitiba”. Em: Clotilde Perez e Eneus Trindade: Por uma publicidade sempre livre. São Paulo: ECA/USP, 2013. P.1300-1315. Disponível em: https://www.academia.edu/37151727/QUANDO_A_CAMPANHA_N%C3%83O_D%C3%81_CERTO [05/12/2020].

Panke, Luciana e Iasulaitis, Sylvia (2016): “Mulheres no poder: aspectos sobre o discurso feminino nas campanhas eleitorais”. Em: Revista Opinião Pública, vol. 22, nº. 2, pp. 385-417, Unicamp. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-62762016000200385&script=sci_abstract&tlng=pt [05/12/2020].

Panke, Luciana (2015): Campañas Electorales para mujeres, retos y tendencias. México: Piso 15.

Panke, Luciana (2016): Campanhas eleitorais para mulheres, desafios e tendências. Curitiba: UFPR.

Panke, Luciana (2018): Campañas electorales para mujeres. Buenos Aires: La Crujia.

Santana, Jamile (2020): “Ataques a candidatas se estendem a apoiadores no 2º turno das eleições”. Disponível em: https://azmina.com.br/reportagens/ataques-a-candidatas-se-estendem-a-apoiadoras-no-2-turno-das-eleicoes/ [28/01/2021].

Schmitt, Rogério (1999): “Estratégias de campanha no horário gratuito de propaganda eleitoral em eleições proporcionais”. Em: Revista DADOS, Rio de Janeiro, vol. 42, nº. 2, pp. 277-302.

Solnit, Rebecca (2017a): Os homens explicam tudo pra mim. São Paulo: Cutrix.

Solnit, Rebecca (2017b): A mãe de todas as perguntas. Reflexões sobre novos feminismos. São Paulo: Cia das Letras.




DOI: http://dx.doi.org/10.18002/cg.v0i16.6982

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.




Copyright (c) 2021 Luciana Panke

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Contacto:

Departamento de Psicología, Sociología y Filosofía. Facultad de Educación. 24071 - León - España. Teléfono: 987291860 / 625570546. Email: aiblag@unileon.es cuestionesdegenero@unileon.es

 

e-I.S.S.N. 2444-0221 - Depósito Legal: LE-1039-2005.

Diseño de portada: INDOS (Images copyright ©INDOS, S. L. and its licensors. All rights reserved).

Diseño del logotipo del Seminario Interdisciplinar de Estudios de las Mujeres de la ULE: Teresa Serrano León.